Reserva bancária recuou para níveis anteriores a 2015 em Agosto

Os depósitos em moeda nacional e estrangeira dos bancos comerciais angolanos no Banco Central recuaram, em agosto, para valores anteriores a 2015, após três quedas mensais consecutivas, fixando-se em 978,5 mil milhões de kwanzas (5.000 M€)

10 Outubro de 2017 - 22:28


Segundo dados preliminares do Banco Nacional de Angola (BNA) sobre o panorama monetário angolano, entre junho e agosto estas reservas obrigatórias caíram o equivalente a mais de 90 mil milhões de kwanzas (460 milhões de euros).

Estes depósitos tinham descido no final de 2016 para 989 mil milhões de kwanzas (5080 milhões de euros), com quedas mensais que se repetiam desde agosto - subiram, entretanto, em janeiro e fevereiro, até ao máximo de 1,115 mil milhões de kwanzas (5.700 milhões de euros), antes de regressarem às quebras, segundo os mesmos dados preliminares do banco central angolano.

Os bancos comerciais que operam em Angola são obrigados a informar regularmente o Banco Central sobre estas reservas, que envolvem depósitos e operações com títulos.

Em causa nestes dados está a obrigatoriedade de os mais de 20 bancos comerciais que operam em Angola constituírem reservas sobre os depósitos à ordem do BNA, que fixou taxas de 15% do total em moeda estrangeira e 25% em moeda nacional.

Na denominada ‘reserva bancária’ contavam-se no final de agosto depósitos obrigatórios em moeda estrangeira, que desceram para 123.118 milhões de kwanzas (632 milhões de euros), e em moeda nacional, que também desceram face a julho, neste caso para 604.673 milhões de kwanzas (3.105 milhões de euros).

Nos últimos cinco anos - período disponibilizado na análise do BNA -, o valor total mais baixo destas reservas bancárias foi em 2012, com 671.325 milhões de kwanzas (3.440 milhões de euros, à taxa de câmbio atual).

Angola vive uma grave crise financeira e económica, decorrente da quebra da cotação do barril de crude no mercado internacional, situação que se reflete ainda na falta de divisas, o que dificulta, nomeadamente, as importações, provocando várias restrições na gestão da moeda estrangeira.

Desde setembro de 2014, a moeda nacional angolana desvalorizou-se em mais de 40%, face ao dólar norte-americano, para 166 kwanzas para um dólar, à taxa oficial, muito longe dos valores do mercado paralelo, que ronda os 390 kwanzas.

Os bancos comerciais angolanos estão obrigados desde 1 de julho de 2015 a constituir reservas de moeda nacional no BNA equivalentes a 25% dos depósitos dos clientes, anunciou, na altura, o Banco Central.

O coeficiente de reservas obrigatórias em moeda estrangeira manteve-se então inalterado em 15%.

Já o coeficiente de reservas obrigatórias em moeda nacional estava fixado em 2014 em 12,5%, tendo o BNA aumentado, a 1 de janeiro de 2015, para 15%, justificando a decisão com a necessidade de «garantir a estabilidade de preços», precisamente no pico da crise da quebra da cotação internacional do petróleo.

Fonte: Lusa