Pouco a pouco Angola perde encanto na hora de investir

Escassez de divisas, desvalorização cambial e retração do consumo desencorajam empresários

06 Fevereiro de 2018 - 14:53


Escassez de divisas, desvalorização galopante da moeda, economia anémica e uma retração no consumo que afetará as exportações portuguesas. Com este quadro, Angola desencanta e gera inquietação na comunidade empresarial que lida com o mercado. O país está a arrumar a casa e preserva intactas as potencialidades futuras, mas sem conhecer as orientações e medidas do Banco Nacional de Angola (BNA) nem as novas regras de transferência de divisas, os empresários não arriscam e congelam planos de investimento.

A tensão política entre os dois países é seguida com atenção, introduzindo receios e incerteza, mas quem tem uma “visão estratégica e firme” do mercado “não liga a acidentes pontuais”.

António Mota, o patrão da Mota-Engil, reconhece que “se as relações entre os dois estados esfriam, isso afeta os negócios e as trocas comerciais”. O caso Manuel Vicente levou “Angola a transferir para outros mercados importações que fazia de Portugal”, penalizando os exportadores. Por isso, recomenda diplomacia e sensibilidade do lado português para evitar atritos incómodos. A imagem internacional de Angola “está a mudar” e o novo Governo tem todas as condições “para fazer um excelente trabalho”. É preciso esperar “para conhecer as medidas que serão aplicadas”, diz António Mota.

Para o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portugal-Angola, João Luís Traça, “os laços entre os dois países são tão fortes” que as relações empresariais “têm um carácter estratégico que não depende da espuma dos dias”. A economia de Angola está, de facto, menos atrativa “porque não cresce, não há investimento e o consumo reduz”. Mas a opção terá de ser de longo prazo e não baseada numa visão imediatista, ao sabor da conjuntura. Nesta altura, a diplomacia portuguesa “deveria traduzir-se não em palavras, mas em dinheiro”, através de linhas de crédito que impulsionem o investimento e facilitem as exportações. Ao primeiro sinal de vitalidade da economia “as empresas portuguesas voltarão a apaixonar-se pelo mercado”. Segundo João Luís Traça, o ímpeto reformista do Governo “está a criar uma imagem positiva”, gerando a “confiança necessária” para os empresários avançarem no futuro com novos projetos.

O investimento português em Angola tem estado em modo de redução desde o pico de 2012 (€412 milhões). Em 2017, o saldo ter-se-á traduzido até num desinvestimento (€4 milhões até setembro) tal como sucedera no ano anterior. E há outra evolução sintomática. A comunidade exportadora encolheu de 9430 (2014) para 5550 (2016).

Divisas e desvalorização

O novo regime cambial, evoluindo para uma taxa flutuante ditada pela banca comercial nos leilões, levou a uma acentuada desvalorização do kwanza em janeiro (40% face ao euro e 25% face ao dólar). A política tem a vantagem de combater o mercado paralelo e gerar mais divisas, permitindo, por exemplo, pagar salários cativos aos expatriados. Mas as empresas têm de suportar a desvalorização.

A nova realidade puxará pela inflação e “conduzirá a uma redução do consumo e das importações”, refere um empresário que gere em Angola uma rede de 10 lojas. Este fator e as indefinições sobre o acesso a divisas força o empresário a congelar o programa de expansão da cadeia. O ambiente de negócios “não é o mais favorável” e o espectro de um programa de assistência do Fundo Monetário Internacional “é mais um elemento de incerteza”.

Com um lastro de 70 anos em Angola, a Mota-Engil atravessou “bonanças e tempestades”, sem vacilar na sua paixão. É preciso “ser paciente”, ter “consciência das dificuldades” e estar preparado para “reinvestir os lucros no país”, avisa António Mota. Se hoje lhe surgisse um projeto de investimento “não hesitaria um segundo em avançar com ele”, sem esperar por clarificações.

A prioridade do BNA está em garantir divisas para a cesta básica e a saúde, distribuindo o que sobra pelos bancos comerciais, segundo uma afetação que favorece a importação de matérias-primas e materiais indispensáveis à indústria, e não o pagamento de dívidas vencidas.

A trading Casa Angola Internacional (CAI) tem uma relação histórica com o país na exportação de alimentação e bebidas. O administrador Rui Moreira não regista “o menor sobressalto” no negócio pela mudança de governo. O que condiciona o negócio é a “restrição de divisas”. A CAI só vende depois de receber o dinheiro dos parceiros locais ou quando beneficia de um seguro de crédito da COSEC. Se o consumo cair, “ a exportação será afetada, mas até agora não há sinais de declínio”, diz Rui Moreira.
Vinho penalizado

O vinho será um dos produtos mais afetados pela nova realidade. Com uma distribuidora própria, a Sogrape não tem ilusões. Apesar da “apetência pelas suas marcas” tem “propositadamente” reduzido as vendas “por causa da falta de divisas”. Mas, numa lógica de longo prazo, a empresa declara “otimismo e confiança” no seu quinto maior mercado (6% da faturação).

Evoluir de uma subsidiária comercial para uma unidade de montagem está nos planos da Meireles, fabricante de fogões e equipamentos de cozinha. A empresa conta até com um investidor local interessado na parceria que, nesta fase, “prefere adiar a aliança para verificar o rumo da economia”, conta o administrador Bernardino Meireles. Em Angola é “tudo muito lento e instável, mas mantemos toda a confiança, sem recear o ambiente político”, acrescenta. Em 2017, a Meireles fez no mercado €2 milhões, uma parte exportada diretamente pela casa-mãe, e consegue repatriar os euros “em quatro meses no máximo”. Neste momento, estão por transferir €150 mil cativos. A desvalorização do kwanza será um forte revés. A emissão regular de Obrigações do Tesouro indexadas ao dólar permite a grupos mais musculados, como a Mota-Engil, Ibersol ou Novabase protegerem-se do risco cambial. Mas não resolve o problema essencial: as empresas “acumulam dívida em Portugal e crédito em Angola”, adverte um gestor bancário.

A construção é um sector muito sensível, pela exposição que mantém ao mercado angolano. Pelas informações de que dispõe, Reis Campos, presidente da confederação sectorial, diz que as empresas “não sentem entraves ou resistências” à sua atividade normal. O industrial acredita nas virtudes de um novo ciclo “com o acesso a divisas facilitado e o lançamento dos projetos suspensos por força das restrições financeiras”.

Fonte: Expresso